quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

ISSO

Sem sofrimento poetas não escrevem. Precisam de espinho na carne, negarem a dor. Com o coração alegre vivem de carrocel, cirandas em luz. Seus trapézios são enredados em teias tecidas por pensamentos infantis. A água é fresca. Encontram fogão a lenha. Ouvem grilo cantando para a noite. O silêncio é vazio. Rede na varanda. Pirilampos alumiando a rodada de jogo cobrada pela amizade e vozes amigas.

Sem sofrimento poetas não escrevem, entram em descrição.

Um comentário:

  1. Meu nome é Carlos Roberto de Souza, poeta e editor do Fanzine Episódio Cultural. Convido você a participar do meu novo (Grupo Academia Machadense de Letras). Publique gratuitamente seus poemas, contos, crônicas, música, saúde, livros, sugestões de filmes, Artes, Shows, teatro, cinema, dança, artesanato... Acesse o link abaixo:
    https://www.facebook.com/groups/149884331847903/

    ResponderExcluir